Galeria da Arquitetura

Um jeito diferente de ver o mundo da arquitetura.

A beleza das casas modernas

Redação Galeria da Arquitetura

De todos os estilos arquitetônicos, a arquitetura de linhas retas, amplos vãos, espaços integrados – muitas vezes das áreas internas com as de lazer – e com os materiais e soluções bastantes evidentes costuma ser vista nos projetos de alguns dos principais escritórios brasileiros, como Brasil Arquitetura, studio mk27 e gruposp. Prova disso, são as obras fluidas e de encher os olhos.

Confira na lista a seguir algumas residências com essas características bem evidentes, em projetos de tirar o fôlego!

Crédito: Haruo Mikami

Casa Areia

Construída para ser uma casa de veraneio, a Casa Areia está muito próxima de uma área preservada ambientalmente. A piscina que acompanha o desenho da casa é o cartão de visitas de residência junto com a simbiose com a natureza. O projeto é do escritório Debora Aguiar



Casa BLM

Sonho de qualquer leitor assíduo, a residência localizada em Brasília une nítidos elementos modernistas. O aço corten substitui o revestimento convencional das fachadas, o modelo retangular solidifica sua amplitude e os painéis móveis permitem entrada de luminosidade. Obra do escritório ATRIA



Casa em Samambaia

Esqueça modelos retangulares guiados por caixas de concreto. O estilo moderno de Rodrigo Simão na Casa em Samambaia é levado pelo telhado curvo e grandes vãos envidraçados sem apoios. Construída em Petrópolis, a residência une o ancestral com o moderno em uma área de 330m². A entrada é feita através de um deck de madeira que serve como sala de estar. Janelas de 10,5m, além de proporcionarem total claridade, fazem o interior parecer exterior. O piso de todo o ambiente interno é concreto, uma medida para gerar economia e trazer amplitude.  Possui portas reaproveitadas que contrapõem com a soberana estrutura de aço.



Casa Redux

Posta no alto da topografia de um vasto terreno, a Casa Redux, do studio mk27, é uma versão reduzida do projeto original. É composta de meia dúzia de caixas de dimensões variadas em duas lajes envoltas por paredes de vidro. O material predominante é o concreto às vezes substituído por brises de madeira, responsáveis pelo charme de proteger enquanto revela pequenos fachos de luz.



Residência JN

Um terreno disforme e uma tipografia acidentada foram os desafios do Jacobsen Arquitetura ao projetar a Residência JN. A solução para a construção entre montanhas e a Mata Atlântica carioca foi criar uma casa que se escondesse no terreno. Feita a partir de três blocos, não utiliza vigas nem pilares, somente madeira – a da estrutura é de longa vida útil, enquanto os filetes da fachada são as “madeiras de sacrifício” especiais para sofrerem ação do tempo. A obra propicia duas vistas e uma piscina que faz a conexão da casa com o spa.



Casa de Vila

Projetada pelo escritório CR2 Arquitetura, a Casa de Vila é composta por 3 blocos – um de vivência social, outro que abriga o programa da casa e o último, um ateliê – separados por jardins. Em cada um, são sobrepostas outras caixas de madeira. A fachada ripada de madeira proporciona três entradas independentes. Os materiais principais são: estruturas metálicas, drywall, madeira e chapas cimentícias. Possui telhado verde



Residência Laranjeiras

Telhas de barro e madeira de demolição norteiam a construção dessa residência construída no condomínio Laranjeiras na cidade histórica de Paraty, no Rio de Janeiro. A construção é dividida em duas caixas, especificadas como “uma caixinha de fósforo” por Gui Mattos, arquiteto responsável pelo projeto arquitetônico.  O andar inferior é dotado de um imenso vão e elementos contemporâneos, enquanto a parte superior é uma antiga residência de um pescador que foi transportada e remontada no local.  A obra também possui paredes de cobogós que, além de tornarem a decoração singela, permitem intensa luminosidade natural.



Casa Limantos

O vidro como material soberano permite total integração dos ambientes da Casa Limantos, projetada pelo escritório Fernanda Marques Arquitetura. As árvores do terreno foram preservadas a fim de introduzir a construção que fica na zona oeste da cidade de São Paulo em um ambiente bucólico, e fazer no interior e exterior o mesmo ambiente. “Trabalhar no limite entre a máxima transparência e o nível de privacidade ideal para cada ambiente foi meu grande desafio”, disse a arquiteta.



AN House

Como solução para manter a privacidade em uma casa construída em um condomínio, Guilherme Torres elaborou um caixote de madeira ripada com entrada de luz que faz a vez de entrada. Se a primeira impressão já é surpreendente, a reação ao deparar-se com um enorme deck que recepciona e o intenso uso de madeira, é similar. A AN House foi construída para uma família com intensa vida social, por isso os espaços de convivência são amplos. O elemento-chave fica por conta do muro verde, onde foram plantadas samambaias; que fazem passar despercebidas as divisões de cerca de 3,5m.



Casa Bacopari

Com um terreno fechado, comprido e desprovido de vegetação e vistas privilegiadas, o escritório Una Arquitetos criou uma vegetação interna e continuada no meio da construção de vidro e aço. Espaços intercalados com grandes lajes mantêm áreas sociais e dois quartos suspensos. No fundo, há um apartamento com entrada independente para visitantes. Um fato curioso é que a casa é uma montagem seca. Os forros são placas de compensado naval, a caixilharia é de alumínio, e os fechamentos, feitos em chapas de ferro.



Casa Offset

O nome teve origem pela casa ser um reflexo das laterais do terreno. Com um amplo espaço interno, as formas externas nada convencionais não foram colocadas por pura estética, mas para tirar partido do desnível do terreno. A parte interna conta com caixa de concreto pré-moldado e vigas aparentes – claros elementos do modernismo. A construção é do estúdio Shieh Arquitetos Associados


Loading
novidades fechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo