Galeria da Arquitetura

Um jeito diferente de ver o mundo da arquitetura.

Arquitetura e Active Design: saúde em primeiro lugar

O design pode auxiliar a saúde mental e física da população (Srijaroen/shutterstock.com)

Redação Galeria da Arquitetura

“Arquitetar sem pensar no bem-estar físico e mental do usuário é, no mínimo, surreal. É sempre bom ver bons hábitos se reinstalando com novos nomes”. A frase é da arquiteta Elenara Leitão e vai de encontro com um tema pouco difundido, mas muito presente no cotidiano dos arquitetos: Active Design (AD). Trata-se de uma disciplina que busca aumentar a qualidade de vida do indivíduo, tanto mentalmente, quanto fisicamente.

A escolha da lâmpada para determinado ambiente ou a definição do local que receberá escadas e elevadores são algumas situações do Active Design que podem influenciar na saúde física e mental de uma pessoa. “Além da harmonia entre o corpo sadio e a mente, é necessário considerar os aspectos intangíveis que um ambiente bem projetado proporciona em termos de segurança, conforto ambiental e psicológico”, afirma Elenara.

Saúde mental

Com ambientes agradáveis e acolhedores, as pessoas interagem mais e melhor em um prédio, por exemplo. Consequentemente, doenças como a depressão podem ser evitadas. A utilização correta da iluminação artificial e natural também contribui para amenizar os sintomas do Alzheimer ou distúrbios de sono, além de melhorar a saúde dos olhos.

Saúde física

Ao entrar em um edifício com mais de três andares, logo procuramos o elevador. Para mudar esse hábito, o Active Design pretende reeducar os conceitos e incentivar o uso de alternativas que auxiliem em uma possível melhora da saúde.

Para exemplificar o fato de que pequenos detalhes influenciam nas suas escolhas, vamos utilizar a escada. Entre escada fixa, rolante e elevador, qual é sua preferência? Provavelmente a fixa foi sua última opção, não é mesmo? E se as escadas fossem mais atrativas, com vista panorâmica para o exterior do prédio, e o elevador estivesse recluso no canto do andar? Isso é o que acontece no Bullitt Center, em Seattle, Estados Unidos.

Já na Suécia, uma ação promocional realizada no metrô de Estocolmo, em 2009, deixou os degraus da escada com o visual e os sons de um piano. O resultado? A maioria das pessoas dispensou a escada rolante e entrou na “brincadeira”. Além disso, diversos locais mundo a fora reproduziram a ideia com êxito semelhante. 

Com algumas modificações nos projetos, as pessoas já começam a agir de maneira mais saudável. Os arquitetos podem lançar mão do Active Design até mesmo para o planejamento de cidades ou bairros que priorizam o tráfego de pedestres. A iniciativa é muito válida, concorda?


Crédito: escada utilizada no Bullit Center, em Seattle. 

(Nic Lehoux / flickr.com/bullitt_center)

Loading
novidades fechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo