Galeria da Arquitetura

Um jeito diferente de ver o mundo da arquitetura.

Arquitetura faraônica


No dia 27 de outubro, nos gramados do Parque Bois de Boulogne, zona oeste de Paris, um monumental projeto idealizado pelo polêmico arquiteto Frank Gehry foi inaugurado. Trata-se da Fundação Louis Vuitton – um imenso museu que expõe a coleção de arte do ricaço Bernard Arnault, dono do grupo LVMH e o homem mais rico da França atualmente.

 

Aparentando um imenso barco à vela exagerado, a silhueta composta de vidro e metal ergue-se a 50 metros acima do solo, podendo ser vista a uma longa distância. Tal criação de Gehry vem gerando inúmeras críticas desde sua inauguração, principalmente devido ao tamanho do edifício. Com 11 mil m² de área, o projeto faraônico tem seu custo estimado em 355 milhões de reais – o equivalente a um terço do orçamento anual da maioria das cidades médias brasileiras.


Outra reclamação dos cidadãos parisienses é que o imenso prédio foi edificado em uma área pública protegida pelo plano diretor de Paris, que proibia construções com mais de um andar no local. Mesmo com o projeto barrado nos tribunais, uma vez por conta de uma campanha contrária organizada por moradores da região, a Assembleia Nacional decretou que o edifício se tratava de uma “obra de arte para o mundo todo” e liberou sua construção.


O valor das obras arquitetônicas de Gehry tem sido cada vez mais questionado por especialistas da área. E você, acha que esta obra do controverso arquiteto é questionável?


Crédito/fonte da foto: fondation-louis-vuitton-1 - L’Expressfondation-louis-vuitton-2 - Pinterestfondation-louis-vuitton-3 - O Tempo e fondation-louis-vuitton-4 - Inhabitat
Fonte do post: ISTOÉ 

Comentários (1) -

  • DAVID NEVES DA CRUZ

    14/01/2015 15:22:56 | Reply

    As obras de F.O.Gehry são sempre GENIAIS! Coerentes com sua proposta DESCONSTRUTIVISTA e ALINHADA á sua "AUTO DEFINIÇÃO: SOU UM ARQUITETO QUE TRABALHA MAIS QUE UM ARTISTA DEVERIA"

Loading
novidades fechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo