Galeria da Arquitetura

Um jeito diferente de ver o mundo da arquitetura.

Bienal de Arquitetura de Veneza divulga tema da edição de 2023

A curadora da exposição, Lesley Lokko, contou que o tema foi escolhido com base no conceito de convergência (Foto: La Biennale di Venezia/Divulgação)

Texto: Naíza Ximenes

20/06/2022 | 15:39 — A 18ª edição da Bienal de Arquitetura de Veneza já divulgou o tema para a exposição de 2023: O Laboratório do Futuro. Com o continente africano como protagonista do evento, a feira ficará aberta ao público de 20 de maio a 26 de novembro de 2023, em alguns espaços importantes de Veneza, como o Giardini e o Arsenale.

A arquiteta e curadora da exposição, Lesley Lokko, contou, em parceria com o presidente da Biennale di Venezia, Roberto Cicutto, que o tema foi escolhido com base em um conceito principal, a convergência. 

“Há um lugar neste planeta onde todas essas questões de equidade, raça, esperança e medo convergem e se unem. África. A nível antropológico, somos todos africanos. E o que acontece na África acontece com todos nós”, explica Lokko.

De acordo com a organização do evento, a Bienal convida “arquitetos e profissionais de um campo expandido das disciplinas criativas a extrair exemplos de suas práticas contemporâneas que traçam um caminho para o público imaginar, ele mesmo, o que o futuro pode reservar”.

A exposição foi idealizada para passar a sensação de uma oficina ou de um laboratório, de fato, e introduzir novas tecnologias aos visitantes. “Essas novas tecnologias oferecem uma visão da vida em partes do globo que provavelmente nunca visitaremos, muito menos entenderemos. Mas ver simultaneamente tanto perto como longe é, como Du Bois e Fanon disseram, uma forma de dupla consciência, o conflito interno de todos os grupos subordinados ou colonizados, que representa a maioria do mundo, não apenas 'lá', nos chamados Mundos em Desenvolvimento, Terceiros e Árabes, mas 'aqui' também, nas metrópoles e paisagens do norte global. Na Europa, falamos de minorias e diversidade, mas a verdade é que as minorias do Ocidente são a maioria global – a diversidade é a nossa norma”, conta Lokko.

Participarão arquitetos nacionais na 18ª Exposição da Bienal, bem como uma seleção de Eventos Colaterais organizados por instituições internacionais, que realizarão suas próprias mostras e iniciativas em Veneza. A premissa, segundo Cicutto, é dar visibilidade a premissas práticas e pontos de vista específicos, com o propósito de conversar com o mundo. 

Texto Curatorial

“Em primeiro lugar, a África é o laboratório do futuro. Somos o continente mais jovem do mundo, com idade média igual à metade da Europa e dos Estados Unidos, e uma década mais jovem que a Ásia. Somos o continente em processo de urbanização mais rápido do mundo, crescendo a uma taxa de quase 4% ao ano. Esse crescimento rápido e em grande parte não planejado geralmente ocorre às custas do meio ambiente e dos ecossistemas locais, o que nos coloca na frente das mudanças climáticas, tanto em nível regional quanto planetário. Continuamos sendo o continente menos vacinado, com apenas 15%, mas registramos o menor número de mortes e infecções por uma margem significativa que a comunidade científica ainda não consegue explicar. Muitas vezes do lado errado da esperança e da história, a resiliência, a autoconfiança e uma longa, longa história de cuidados de saúde comunitários de base de repente desequilibraram a balança a nosso favor. A longa e traumática história de migração forçada através do tráfico transatlântico de escravizados é o terreno sobre o qual lutas sucessivas por direitos e uma sociedade mais civil estão sendo travadas em todo o mundo hoje. Em toda a conversa sobre descarbonização, é fácil esquecer que os corpos negros foram as primeiras unidades de trabalho a alimentar a expansão imperial europeia que moldou o mundo moderno. A equidade racial e a justiça climática são dois lados da mesma moeda.

Mas a esperança é uma moeda poderosa. Ter esperança é ser humano. Em um nível profundamente pessoal, devo minha presença nesta mesa hoje às demandas incansáveis por um mundo mais justo, mais inclusivo e mais equitativo batalhadas por gerações antes de mim. A visão de uma sociedade moderna, diversa e inclusiva é sedutora e persuasiva, mas enquanto permanecer uma imagem, é uma miragem. Algo mais do que representação é necessário, e os arquitetos são, historicamente, atores fundamentais na tradução de imagens em realidade.

Em segundo lugar, a própria Biennale di Venezia é também uma espécie de laboratório do futuro, um tempo e espaço em que ocorrem especulações sobre a relevância da disciplina para este mundo – e o mundo por vir. Hoje, a palavra “laboratório” é mais geralmente associada à experimentação científica e evoca imagens de um tipo específico de sala ou edifício. Mas o exame de Richard Sennett da palavra “workshop” [oficina], da qual deriva a palavra “laboratório”, aprofunda o conceito de esforços colaborativos de uma maneira diferente. No mundo antigo, tanto na China quanto na Grécia, a oficina era a instituição mais importante de ancoragem da vida cívica. No rescaldo da guerra civil americana, Booker T Washington, um ex-escravizado, criou um projeto no qual escravos libertos que se recuperavam da escravidão sairiam de casa, treinariam em duas instituições modelo, os Institutos Hampton e Tuskegee, e retornariam às suas comunidades de origem. É importante ressaltar que durante essa realocação temporária, a cooperação seria forjada pela experiência direta e pelo contato diário entre iguais. Prevemos nossa exposição como uma espécie de oficina, um laboratório onde arquitetos e profissionais do campo expandido das disciplinas criativas extraem exemplos de suas práticas contemporâneas que traçam um caminho para o público — participantes e visitantes — percorrer, imaginando por si mesmo o que o futuro reserva.”

Loading

Receba gratuitamente os Boletins e
Informativos da Galeria da Arquitetura.

(55 11) 3879-7777

Fale conosco Anuncie
novidades fechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo