Galeria da Arquitetura

Um jeito diferente de ver o mundo da arquitetura.

Conheça a arquitetura de 12 casas de ópera espalhadas pelo mundo

Crédito: chris fennell / shutterstock.com

Redação Galeria da Arquitetura

As casas ou teatros para apresentações de ópera carregam muitas histórias, afinal boa parte deles foi construída há muitos anos. Alguns são até mesmo seculares. Multifuncionais, esses edifícios também recebem balé, concertos musicais, peças teatrais e outras interpretações artísticas.

Vale a pena conferir uma lista com belos e históricos prédios de ópera de todo o mundo.

Teatro di San Carlo – Nápoles, Itália

Crédito: trabantos / shutterstock.com

Crédito: photogolfer / shutterstock.com

Inaugurado em 1737, o Teatro di San Carlo é a casa de ópera mais antiga em atividade da Europa. O projeto arquitetônico foi concebido por Giovanni Antonio Medrano e Angelo Carasale. Em 1816, o edifício foi destruído por um incêndio. Coube ao arquiteto Antonio Niccolini reformá-lo, sem alterar a construção original.

Teatro alla Scala – Milão, Itália

Crédito: Leonid Andronov / shutterstock.com

Crédito: postos / shutterstock.com

Situado em Milão, cidade que possui longa tradição na ópera, o Teatro alla Scala é um dos mais famosos do mundo pelo seu estilo neoclássico – com detalhes dourados – e acústica perfeita. Foi construído em 1778 pelo arquiteto Giuseppe Piermarini.

Ópera Estatal – Viena, Áustria

Crédito: TTstudio / shutterstock.com

Crédito: postos / shutterstock.com

A Ópera Estatal de Viena sobreviveu aos bombardeios durante a Segunda Guerra Mundial, embora parte de sua estrutura tenha passado por reformas. Sua construção é de 1869 e encanta pelo estilo neorrenascentista. O projeto é dos arquitetos August Sicard von Sicardsburg e Eduard van der Nüll.

Royal Albert Hall – Londres, Inglaterra

Crédito: Dan Breckwoldt / shutterstock.com

Crédito: Dmitri Ogleznev / shutterstock.com

O Royal Albert Hall foi inspirado na era vitoriana. Com capacidade para quase 6 mil pessoas, sua inauguração ocorreu em 1871. O grande diferencial dessa casa de ópera é a abóbada de vidro desenhada pelo capitão Francis Fowke e pelo coronel H.Y. Darracott Scott (ambos do Corpo de Engenheiros Real). A fachada é marcada por tijolo na cor terracota.

Ópera Garnier – Paris, França

Crédito: gigava / shutterstock.com

Crédito: kentoh / shutterstock.com

A Ópera Garnier foi objeto de concurso público em 1861 que acompanhou a grande reforma urbana de Paris, promovida por Napoleão III e pelo barão de Haussmann, então prefeito do departamento do Sena. O vencedor foi o arquiteto Charles Garnier, que dá nome ao local. Inaugurado 14 anos depois, o projeto destaca-se pelo estilo neobarroco.

Teatro Colón – Buenos Aires, Argentina

Crédito: San Hoyano / shutterstock.com 

Crédito: T photography / shutterstock.com

O Teatro Colón é a principal casa de ópera da capital argentina. É muito elogiado pela sua acústica, que o coloca entre os cinco melhores do mundo nessa categoria. Ele substituiu a antiga casa, inaugurada em 1857. O projeto do novo edifício começou em 1890, mas a obra só foi concluída em 1908. Os arquitetos Francesco Tamburini e Vittorio Meano deram início ao trabalho. Após o falecimento deles, coube ao arquiteto Julio Dormal finalizar a construção.

Teatro Municipal – São Paulo, Brasil

Crédito: Alf Ribeiro / shutterstock.com

Crédito: Alf Ribeiro / shutterstock.com

Um dos ícones da cidade de São Paulo, o Teatro Municipal foi projetado pelos arquitetos Cláudio Rossi e Domiziano Rossi. Seu estilo foi inspirado nas grandes casas da Europa, mais precisamente no Ópera Garnier. A inauguração ocorreu em 1911 com a ópera de Hamlet, de Ambroise Thomas.

Ópera House  Sydney, Austrália

Crédito: chris fennell / shutterstock.com

Crédito: Joel Bauchat Grant / shutterstock.com

A Opera House é um dos símbolos de Sydney desde 1973, ano de sua inauguração. A obra, no entanto, começou no longínquo 1959. O arquiteto dinamarquês Jørn Utzon imprimiu um estilo mais contemporâneo ao edifício. Para muitos, trata-se da principal atração turística da Austrália.

Walt Disney Concert Hall – Los Angeles, Estados Unidos

Crédito: Checubus / shutterstock.com

Crédito: Maciej Bledowski / shutterstock.com

Uma das casas de espetáculos mais modernas é a Walt Disney Concert Hall. Lilian Bounds Disney, esposa do fundador do maior estúdio de desenhos do mundo, doou cerca de 50 milhões de dólares para a construção do complexo. Frank Gehry, arquiteto canadense, foi o escolhido para projetar a obra, que ficou pronta em 2003.

Sala São Paulo – São Paulo, Brasil

Crédito: Thiago Leite / shutterstock.com

Crédito: Dário de Freitas

A Sala São Paulo tem resquícios do estilo arquitetônico europeu. Ela compõe o Centro Cultural Júlio Prestes, uma estação ferroviária histórica que foi restaurada e remodelada. Tem capacidade para quase 1.500 espectadores e mais de 20 camarotes. Está aberta ao público desde 1999, sendo considerada uma das salas de concerto com melhor acústica no mundo.  O projeto teve participação dos arquitetos Nelson Dupré e Luizette Davini e do consultor de acústica José Augusto Nepomuceno.

Ópera de Oslo – Oslo, Noruega

Crédito: Anna Jedynak / shutterstock.com

Crédito: Xseon / shutterstock.com

Inaugurada em 2009, a Ópera de Oslo é o centro de artes cênicas mais importante da capital norueguesa. O edifício parece ressurgir das águas, pois está situado próximo ao porto. Possui um terraço que permite aos visitantes contemplarem a paisagem incrível da cidade. Com estilo contemporâneo, o projeto arquitetônico é de Tarald Lundevall.

Dubai Opera House – Dubai, Emirados Árabes Unidos

Crédito: HainaultPhoto / shutterstock.com

A Dubai Opera House funciona desde 2016. Com projeto de Janus Rostock, a casa tem capacidade para 1901 lugares. Além disso, recebe uma variedade de eventos, como apresentações de ópera e balé, peças teatrais, concertos musicais, conferências e exposições.

Loading
novidades fechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo