Galeria da Arquitetura

Um jeito diferente de ver o mundo da arquitetura.

Grandes arquitetos dão dicas de carreira

Redação Galeria da Arquitetura

Ser criativo, persistente e ter amor pelo trabalho são algumas características essenciais a um bom arquiteto.

Grandes nomes como Arthur Casas, Gustavo Penna, José Ricardo Basiches, Guto Requena, Bruno Campos – do escritório BCMF Arquitetos – e Rodrigo Simão contam, em entrevista à Galeria da Arquitetura, um pouco sobre suas trajetórias inspiradoras e dão dicas de como obter sucesso na arquitetura.

Crédito: Victor Affaro

1- Tenha uma formação global

“O mercado valoriza pessoas com perfil criativo”, comenta o arquiteto Guto Requena, titular do Estudio Guto Requena. Além disso, segundo ele é preciso ter um bom repertório. “Uma formação completa permite desbravar várias áreas, como design de interiores, urbanismo, cenografia e design gráfico”, comenta. O arquiteto Bruno Campos, um dos representantes do escritório BCMF Arquitetos, concorda. “Sempre procurei estudar e trabalhar fora do país, ter experiências com os profissionais que mais gostava, ler muitos livros e fazer mestrado. Acho que tudo isso me ajudou”, conta.

Para Rodrigo Simão, titular do escritório de mesmo nome, é preciso eliminar a preguiça. “O arquiteto deve ter uma formação global e enriquecer seus conhecimentos com filmes, música, artes e fotografia. É preciso ter uma visão crítica, ampla e global da sociedade, entender os grandes mestres da profissão e dominar técnicas digitais de projeto”, indica.

Crédito: Ayla Hibri
WZ Hotel, projetado pelo Estudio Guto Requena

Crédito: Greg Saliban

2- Conheça suas qualidades e não desperdice suas chances

Outra dica de Campos para os jovens arquitetos é “Descubra seus pontos fortes”. Os profissionais devem saber no que realmente são bons. A partir daí, precisam trabalhar duro, sempre com muito foco. E não se pode jamais desperdiçar as oportunidades. “Eles devem estar atentos a todas as chances – por menores que sejam”, pontua. Simão reforça: “O segredo é crescer gradativamente, e não pensar exclusivamente em dinheiro”.

Crédito: Leonardo Finotti

Novo Mineirão, projetado pelo escritório BCMF Arquitetos

Crédito: Divulgação Studio Arthur Casas

3- Tenha visão holística e seja versátil

Arthur Casas aconselha os novos profissionais a terem uma visão holística da profissão, pois há muitas possibilidades de atuação dentro da arquitetura. “Observação e informação são qualidades imprescindíveis para o sucesso, além de talento e vocação”, destaca.

O arquiteto, autor de obras em diversas cidades do mundo como Tóquio, Paris, Rio de Janeiro, São Paulo e Nova Iorque, conta que sempre procurou trabalhar com escalas e programas diferentes. Isso aumenta as oportunidades e gera aprendizado. “É por isso que meu trabalho vai da escala doméstica ao projeto urbano, passando por residências, edifícios de pequena e grande escala, projetos comerciais, shopping centers, universidades”.

Crédito: Fernando Guerra
Casa AL, projetada pelo Studio Arthur Casas

Crédito: Gustavo Penna Arquiteto e Associados

4- Seja persistente e realize!

Para Gustavo Penna, titular do escritório que leva seu nome, os estudantes devem batalhar, criar, realizar. O conselho que dá aos jovens é: “Percam as esperanças de sucesso, não fiquem esperando ele bater à porta. Comecem a criar”.

Para Penna, se o arquiteto quer mostrar o que é capaz de fazer, deve agir. “A partir do momento que ele entra em ação e faz uma proposta, ela passa a existir”, ressalta. Simão, que ainda no período da faculdade participou de diversos concursos, reforça. “É preciso praticar o trabalho o máximo possível para adquirir cada vez mais conhecimento e vencer na profissão”.

Crédito: Jomar Bragança

Museu de Congonhas, projetado pelo escritório Gustavo Penna Arquiteto e Associados

Crédito: Rodrigo Simão Arquitetura

5 - Compreenda a verdadeira dimensão dos projetos

Para Simão é essencial que o profissional compreenda as necessidades, o terreno e o contexto do projeto. “Uma projeção não se limita a um terreno, uma casa ou edifício em particular. Através do desenho podemos definir o modo de vida, a felicidade e até mesmo a saúde de famílias ou grupos de famílias por gerações. Por isso essa é uma profissão de extrema responsabilidade, que requer muita dedicação”.