Galeria da Arquitetura

Um jeito diferente de ver o mundo da arquitetura.

Old but gold: os croquis ainda são essenciais para a arquitetura

O croqui é fundamental para o desenvolvimento de um projeto (crédito: shutterstock.com / Svjatoslav Andreichyn)

Redação Galeria da Arquitetura

A expressão “old but gold” se refere a algo antigo que ainda possui muito valor. Essa é a melhor forma de descrever os croquis na arquitetura contemporânea. Com a invenção de computadores, tablets e smartphones, o uso do papel e da caneta ficou obsoleto para determinadas tarefas. Mesmo assim, há quem não abra mão do croqui durante os processos criativos.

É bem verdade que softwares como VectorWorks, ArchiCAD e SketchUp oferecem facilidades e infinitas opções para designers e arquitetos. Afinal, como explica Renata Furlanetto, diretora do Studio mk27, “os aplicativos de desenho a mão em plataformas digitais estão se desenvolvendo muito – e ficarão cada vez mais populares”.

No entanto, vale ressaltar duas coisas: a primeira é que nem sempre a tecnologia está ao alcance de todos. E o segundo – e talvez mais importante – é que o processo criativo varia muito de indivíduo para indivíduo, tornando praticamente impossível prever quando e onde as ideias vão aparecer. É aí que entra o croqui.

Croqui: a origem do projeto

A palavra “croqui” é derivada do francês “croquer”, que significa esboçar. É uma maneira simples de colocar uma ideia no papel, rabiscar sem muito compromisso com simetria, precisão e acabamento perfeito. É simplesmente materializar o pensamento em um pedaço de papel, em qualquer momento e lugar.

Em um processo criativo com mais de uma pessoa envolvida, colocar as ideias em um croqui é fundamental para o entendimento. “Como somos em três sócios – e todos os projetos são frutos de uma discussão –, o croqui é um elemento fundamental para explicar uma ideia ou descartá-la para criar outra linha de raciocínio. É um amadurecimento natural até o momento de transportar a ideia para o software mais adequado”, relata Fernando Forte, sócio e arquiteto do FGMF Arquitetos.

Prática atemporal

Você provavelmente já ouviu que para ser um arquiteto é preciso saber desenhar. Mas para profissionais como Furlanetto, “não é necessário um desenho hiper-realista. O importante é se comunicar através dessa linguagem”.

Forte compartilha da mesma opinião: “No passado, antes do advento dos softwares, saber desenhar era uma certa vantagem, assim como alguém eloquente pode ter uma vantagem sobre os colegas na advocacia, por exemplo. Mas a verdade é que isso não passa de um mito, pois a arquitetura é muito mais do que o desenho preliminar. Os projetos nascem de muito estudo e pesquisa, independentemente da habilidade manual de cada um”.

Embora os softwares estejam reduzindo a necessidade dos desenhos manuais na arquitetura, sejam eles técnicos ou apenas esboços, a velocidade e a praticidade de um croqui – mesmo aquele feito no papel canson, no caderno, na agenda ou no guardanapo – o torna atemporal e essencial para a arquitetura.

Loading
novidades fechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo