Galeria da Arquitetura

Um jeito diferente de ver o mundo da arquitetura.

Rivalidade até nos arranha-céus

A disputa entre Brasil e Argentina não se resume ao campo de futebol. Ambos os países rivalizam há tempo a liderança da região da América Latina, e essa “briga” acaba influenciando diversos segmentos como a área de construção civil. Essa busca impacta gradativamente o setor que corre para anunciar o desenvolvimento de arranha-céus cada vez mais altos, procurando evidenciar seu desenvolvimento emergente por meio de títulos simbólicos, como o de prédio mais alto da América Latina.

 

Torre Rampa terá 335 metros e deve ficar pronta em 2019

Por hora, o Brasil segue líder da disputa por contar atualmente com o maior edifício construído da região, o Millennium Palace, em Balneário Camboriú, Santa Catarina, com 177,3 metros de altura e 52 andares. O país também deve inaugurar em 2018 o Infinity Coast, com 240 m de altura localizado também em Balneário Camburiú, entretanto esses projetos devem ser desbancados por outras duas construções de países vizinhos, o Costanera Center em Santiago – Chile (300 m) e o El Polo Cinematográfico y de Contenidos Audiovisuales ou Torre Rampa – como está sendo chamado pelos argentinos –, anunciado pelo governo de Cristina Kirchner.

A torre estará localizada em um terreno de 216 mil m² na Ilha Demarchi, no sul de Buenos Aires, tendo 335 metros de altura e 67 andares. O projeto desenvolvido pelo escritório MRA + A Alvarez, Bernabó e Sabatini está revisto para ser concluído em cinco anos (2019). A execução estará a cargo da empreiteira argentina Riva S.A. e está sendo financiada com recursos públicos.

O arranha-céu foi elaborado para abrigar diversos serviços e eventos culturais na cidade. Em sua estrutura há projetos que envolvem segmentos da indústria de entretenimento argentina, um condomínio, um hotel e um estádio próprio para shows, com capacidade para 15 mil lugares.

Para a presidente Kirchner, o prédio de formato curvilíneo com as cores branco e azul celeste e a base horizontal que se alonga em direção ao céu, trata-se de um símbolo da cidade de Buenos Aires. Independentemente da pressão de diversos setores da sociedade argentina insatisfeitos com o uso de dinheiro público em um projeto de 700 milhões, ao passo que a economia do país segue mal das pernas. A construção deverá sair do papel e se tornar o maior prédio da América Latina.

Entretanto, o reinado não deve durar por muito tempo, visto de há outros dois projetos em andamento. A Megatorre Avenida 19, na cidade de Bogotá – Colômbia, que atingirá 462 metros de altura, terá 95 andares e deve ficar pronto em 2020. E, no Brasil, o escritório de arquitetura FarKasVölGyi desenvolve o Complexo Andradas, em Belo Horizonte MG, que espera alcançar 350 metros.

Quem ganhará essa disputa é uma pergunta que não deve ser respondida tão cedo, visto que toda a América Latina tenta construir suas próprias torres para ganhar notoriedade, mesmo que elas ainda sejam anãs, se comparadas ao gigantesco Burj Khalifa, com seus 828 metros. 


Projeto de arranha-céu argentino deve abrigar diversos serviços e eventos culturais

Crédito/fonte da foto: Publicação do projeto no Facebook da presidente Cristina Kirchner.
Fontes do post: Publicação do projeto no Facebook da presidente Cristina KirchnerGizmodoMassa Cinzenta

 

Loading
novidades fechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo