Escritórios de arquitetura que projetam para famílias de baixa renda

Arquitetura para todos! Conversamos com escritórios que projetam casas bonitas, seguras e confortáveis para famílias de baixa renda no Brasil. Confira!
0 Compartilhamentos
0
0
0

Núcleo Habitacional do Complexo do Alemão, por Jorge Mario Jáurequi – @telier metropolitano – Foto: Arquivo Atelier Metropolitano

Redação Galeria
da Arquitetura

Morar em uma casa
bonita, segura e confortável é o sonho de qualquer um. Por isso, pesquisamos escritórios
de arquitetura que projetam para famílias de baixa renda.
naE – Núcleo de
Arquitetura Experimental, Jorge Mario Jáurequi – @atelier metropolitano e Arquitetura
do Barreto são alguns. Confira trabalhos desses escritórios.

Projetar e aprender

Desde que fundou seu
escritório de arquitetura especializado em projetos econômicos para a
classe C, o arquiteto Marcio Barreto convive com famílias que nunca imaginaram
contratar um profissional. “Todos têm histórias lindas de superação e
determinação, o que torna os projetos particulares e de grande importância”,
comenta.

Apartamento
Belo Horizonte, por Arquitetura do Barreto – Imagem: Arquitetura do Barreto /
Arquiteto Marcio Barreto

Barreto relembra que
muitos desses projetos marcaram a sua carreira, mas um deles foi especial: o
apartamento de 20 m² onde uma senhora residia há 20 anos em situação precária.
Contratado pelo filho da moradora, o arquiteto reorganizou o layout, aproveitou
itens existentes e comprou outros, tornando o espaço mais funcional e
confortável. “É um trabalho muito gratificante”, menciona.

A comunidade agradece

Para Jorge Mario
Jáurequi, os projetos de maior impacto social que desenvolveu foram para o PAC
do Complexo do Alemão e de Manguinhos (RJ) – tanto pela escala, quanto pela
diversidade de programas. “Precisamente pela quantidade de unidades
habitacionais nesses dois complexos – 1.750 no Alemão e 1.500 em Manguinhos –,
foi possível trabalhar com sistemas de pilares, vigas e lajes pré-moldadas, garantindo
o controle estrito de custos e prazos”, explica.

Arquiteto Jorge
Mario Jáurequi /
Núcleo Habitacional do Complexo do Alemão, por Jorge Mario Jáurequi – @telier metropolitano
– Foto: Arquivo Atelier Metropolitano

Outro projeto
lembrado por ele foi o da Rocinha, onde o maior desafio foi expressar a
arquitetura e o urbanismo com as restrições de custo e áreas mínimas nas
unidades. “Nesse caso, o núcleo habitacional projetado na Estrada da
Gávea, esquina com a Rua 4, constituiu uma referência na paisagem e um valor
simbólico na favela. O uso da cor nas fachadas acentuou a presença urbana”,
conta.

Materialização de um
sonho

Concebida para o programa Minha Casa Minha Vida, a Casa
Calha, em Guaíba (RS), foi um projeto de grande impacto assinado por Alexandre Rögelin Prass do escritório naE –
Núcleo de Arquitetura Experimental.

Para ele, esse trabalho demonstrou ser possível fazer uma
arquitetura de qualidade para um projeto popular. “Vejo essa casa como uma
pequena amostra de que a boa arquitetura não está limitada a altos
investimentos”, revela.

Casa Calha, por naE – Núcleo de Arquitetura Experimental – Foto: Alexandre Rögelin Prass / Arquiteto Alexandre Rögelin Prass

Ainda segundo o
arquiteto, é importante pensar no gerenciamento dos recursos para concluir
100% da construção com os valores disponíveis. No entanto, como boa parte dos custos
está imobilizada pelo financiamento, é difícil que os moradores tenham recursos
extras para finalizar a obra em curto prazo.

“A residência é a materialização de um sonho e vê-lo
incompleto afeta a autoestima da família. A conclusão da casa própria deve ser
o início de uma nova fase, e não o começo de um novo problema”, conclui.

0 Compartilhamentos
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *