Palácio Capanema se tornará a nova sede da Ancine e Funarte

O monumento, que consiste em um marco da arquitetura moderna do Brasil, será reaberto em setembro
0 Compartilhamentos
0
0
0

O retorno do edifício às atividades marca uma iniciativa de revitalização do Centro do Rio de Janeiro (Foto: IPHAN/Reprodução)

Texto: Naíza Ximenes

13/07/2022 | 15:00 — Depois de a Justiça Federal declarar, em maio deste ano, que
o Palácio
Capanema não poderia ser vendido
, o monumento, que marca a arquitetura
moderna do Brasil, ganhou outra destinação: em setembro, após a sua reabertura,
ele se tornará a nova sede da Ancine (Agência Nacional do Cinema) e
da Funarte (Fundação Nacional das Artes)
.

O retorno do edifício às atividades marca uma iniciativa de
revitalização do Centro do Rio de Janeiro, principalmente em vista do grande
fluxo de pessoas que frequentará o espaço.
Isso porque o Palácio estava sem atividades já há algum tempo, principalmente
em vista da incerteza acerca de sua comercialização para iniciativas privadas

O prédio, que é tombado pelo Iphan, ao conseguir manter seu caráter público, ainda foi considerado para outras destinações pelo Governo Federal — que supôs adaptá-lo para entidades como a Justiça Eleitoral e do Trabalho, sem sucesso. 

Assim, o Palácio Capanema — projetado por Oscar Niemeyer, em parceria com Lucio Costa e Le Corbusier —, que já foi sede do Ministério da Educação e é considerado um marco cultural brasileiro, entrou na mira de grandes órgãos, também culturais. Desta forma, além de integrar a iniciativa de revitalização do centro carioca, o intuito, agora, é preencher seus 16 andares com entidades do setor artístico.

A reabertura está programada para acontecer em setembro, em um ato já definido: um concerto na Sala Sidney Miller, que pertence à Funarte, numa parceria com a Escola de Música da UFRJ. A transferência das entidades para o edifício deve acontecer em até 60 dias após o concerto, mesmo que as obras de restauração ainda não tenham sido concluídas.

A Secretaria Especial de Cultura é outro órgão que já tem planos de acompanhar a Funarte e Ancine, mas, ao invés de transferir sua sede principal, a Secretaria só utilizará o Palácio como um gabinete extra. 

Futuramente, serão instaladas atrações para os visitantes, restaurantes geridos pela iniciativa privada no terraço-jardim do edifício (projetado pelo paisagista Roberto Burle Marx), e um centro de convenções de grande porte, que possa receber eventos culturais variados. 

Tamoio Marcondes, membro da Funarte e coordenador do projeto do Capanema, ressalta o laço entre o Palácio e a cultura. “A verdade é que o Capanema é da cultura, e precisa continuar sendo. Vamos sedimentar o prédio como um grande alicerce cultural da cidade e do país”, afirmou.

0 Compartilhamentos
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *