Apaixonados por Arquitetura reúne grandes nomes em dois dias de evento

Fruto da parceria com a Revista Projeto, o evento foi palco de palestras de aflalo/gasperini, SuperLimão, Rosenbaum@ e Greg Bousquet
0 Compartilhamentos
0
0
0

A terceira edição do evento foi em formato híbrido, com transmissão on-line e presencial, na sede da Belas Artes do Shopping Cidade Jardim 

Texto: Naíza Ximenes

27/10/2022 | 17:15 — O Apaixonados por Arquitetura, evento organizado pela Galeria da Arquitetura em parceria com a Revista PROJETO, reuniu grandes nomes do setor em dois dias de palestras, apresentadas em formato presencial e on-line. Com mais de 4.500 inscritos, aproximadamente 1.100 participantes on-line, e mais de 1600 visualizações no YouTube, o evento foi híbrido, e reuniu mais de 120 participantes presenciais. 

Transmitido tanto pela plataforma oficial, quanto pelo canal do YouTube da Galeria da Arquitetura, a terceira edição do Apaixonados aconteceu no auditório do novo campus da faculdade Belas Artes, em São Paulo, no shopping Cidade Jardim. Foram dias recheados de apresentações, e minitalks, regados a informação, opinião e muito debate.

26 de outubro

aflalo/gasperini

A abertura do evento foi feita pelo escritório aflalo/gasperini, que está completando 60 anos. Roberto Aflalo Filho, Luiz Felipe Aflalo Herman, Grazzieli Gomes Rocha e José Luiz Lemos da Silva Neto, sócios diretores do escritório, optaram por ilustrar a paixão por arquitetura contando a evolução do desenho nos 60 anos de empresa. 

Detalhando o desenvolvimento da arquitetura ao longo dos anos, eles contam que os profissionais do escritório faziam projetos todos feitos a mão, inicialmente, e, com o passar do tempo, eles optaram por adotar programas como AutoCAD (em 2D), e, posteriormente, o BIM (Building Information Modeling) — que reúne informações em um projeto em 3D. 

“Ainda assim, a gente não pode esquecer que, apesar da evolução, o desenho ainda faz parte do nosso dia a dia atualmente, mesmo com todos esses programas. O projeto ainda começa com um desenho a mão, um croqui ou um rabisco no guardanapo”, conta Grazziele Gomes. 

“É curioso pensar que, no início do escritório, a maioria dos arquitetos eram desenhistas; e com a evolução dessas ferramentas de representação, os arquitetos passaram a também evoluir na forma de pensar arquitetura, pois o processo de soluções continua complexo, mas possui mais agilidade”, completa Luiz Felipe Aflalo.

Pitá Arquitetura e Knauf Ceiling Solutions

Logo em seguida, Mariana Klingelfus Pinheiro, da Pitá Arquitetura, e Paula Omizzolo, da Knauf Ceiling Solutions, conduziram um minitalk sobre “Arquitetura Corporativa: O futuro próximo dos escritórios”. De acordo com Mariana, estamos vivendo um processo de adaptação, de diversas ordens, mas o fato é que ainda não sabemos como será a dinâmica do trabalho no que ainda está por vir. “Certamente a flexibilidade é o grande tom do segmento – os formatos, rotinas, arranjos de trabalho são acompanhados pela arquitetura e, nós, na Pitá, sempre nos atentamos para isso no desenvolvimento dos projetos”, comenta. 

Superlimão 

A segunda palestra do dia ficou por conta do Superlimão, representado pelo arquiteto Thiago Rodrigues. A paixão pela arquitetura foi observada através da exploração da criatividade e arquitetura consciente. Na apresentação, Rodrigues contou como, há 25 anos, a equipe se entrega ao processo criativo, tanto dos espaços quanto do mobiliário. 

“Nós gostamos de sempre enfatizar essa parte manual do projeto, como quando utilizamos origamis, por exemplo. É muito difícil de modelar nos programas que utilizamos, mas é uma forma de valorizar o trabalho manual do homem, do ser humano. Nesse projeto da Microsoft, por exemplo, existem 150 peixinhos de papel, dobrados pelo pessoal do escritório, que decoram um ambiente do prédio (…). No projeto do Sub Astor (um bar subterrâneo), em que fomos convidados para fazer uma remodelagem do local, nós colocamos um aquário completamente climatizado, com uma luz que favorece o crescimento das plantas e permite ao barman preparar drinks somente com insumos que cresçam dentro do bar”, ele descreve. 

Roca Cerámica

No segundo minitalk do dia, Angélica Cruz, do time de marketing da Roca Cerámica, deu detalhes dos novos produtos e atualizações sobre os pisos e revestimentos da marca, abordando, ainda, processos que integram a responsabilidade ambiental. “Fabricamos com consciência ambiental! A Roca Cerâmica é a primeira e única empresa de revestimentos a analisar o ciclo de vida de sua produção no meio ambiente, tanto do processo fabril quanto do produto já entregue. Produzimos cerca de 24,3 milhões de metros quadrados por meio de jazidas monitoradas e recuperadas, com atenção ao tratamento da água que integra o processo, e mais”.

Por fim, a mesa redonda de construtoras e incorporadoras, constituída por Maria Eugenia Fornea (Weefor), Otavio Zarvos (Idea!Zarvos), Rafael Birmann (Birmann) e Silvio Kozuchowicz (SKR) encerrou o dia. 

Maria Eugenia Fornea foi a primeira a descrever a paixão por arquitetura — tanto em uma visão pessoal, quanto pela incorporadora. “A Weefor foi a primeira incorporadora do Brasil a selecionar projetos a partir de concursos de arquitetura. A gente forma uma banca de jurados composta por arquitetos especializados, e, a partir de centenas de propostas, escolhemos um único projeto. Todo o processo de promover concursos elevou muito o nível da nossa arquitetura e a forma de escolher projetos. Nós conseguimos democratizar esse processo e abrir espaço para arquitetos talentosos, mas que, por estarem no início de carreira, não têm um portfólio tão robusto, ou têm poucas chances de entrada no mercado”, ela contou.

Otavio Zarvos, por sua vez, comentou que adora arquitetura, ama desenhar e, que atualmente, sua função na empresa é mais voltada ao processo criativo. “Acho que, como administrador da empresa, consigo ter um equilíbrio entre imaginação e o que se consegue efetivamente produzir. Para mim, a arquitetura é fundamentalmente uma organização de recursos e, na Idea!Zarvos, é uma ferramenta para conseguir atingir o nosso objetivo de fazer bons prédios, bons para a cidade e para o morador”, explicou.

Rafael Birmann também se declarou apaixonado por arquitetura, mas, sobretudo, pelo urbanismo, pela cidade. “O conceito de como as coisas se estruturam, como funcionam, aliadas ao design, me encantam. É o que dizem: o investimento de maior retorno em um edifício é, justamente, o design. Vai além da habilidade, do ‘saber desenhar’”, afirmou.

Silvio Kozuchowicz, da SKR, falou do potencial transformador que a arquitetura tem na qualidade de vida das pessoas. “Por que a paixão? Hoje, esse ofício representa, para mim, o potencial transformador na qualidade de vida das pessoas — tanto em uma escala urbana, de edifícios, de salas de interiores, de esculturas ou de desenhos. A gente sabe o poder de impacto na qualidade de vida que a arquitetura, na forma mais ampla de expressão, traz. Vai além da forma e função. É criatividade, é alegria, é convivência, é mudança social. Eu só não consigo dizer que sou arquiteto, apesar de trabalhar na área há tanto tempo e interagir com nomes tão relevantes da arquitetura, mas eu queria poder dizer que sou”, comentou.

Veja o primeiro dia do Apaixonados por Arquitetura na íntegra! 

 

Segundo dia – 27 de outubro

Marcelo Rosenbaum

No segundo (e último) dia de evento, as palestras começaram com Marcelo Rosenbaum, que é designer e arquiteto por experiência. Ele utilizou dois dos projetos do escritório, o Rosenbaum@, para ilustrar a paixão por arquitetura. Um deles foi a Morada de Canuanã, da Fundação Bradesco, o outro, uma Associação de Artesãs. O que eles têm em comum? O senso de comunidade e a utilização da arquitetura como um transformador social.

A Associação já existe há 11 anos e reúne artesãos da região interiorana do Piauí nas mais variadas atividades artesanais e de cunho social. As Moradas de Canuanã, por sua vez, são escolas para cerca 1200 crianças que utilizam o regime de internato e abrigam esses alunos durante toda a semana. “Eu propus uma integração com as crianças, para a Fundação Bradesco, na hora de construir esse projeto. Fiquei cerca de 20 dias na região, entendendo a rotina dos nossos futuros clientes e moradores. (…) Para estruturar como seriam os quartos, por exemplo, nós fizemos exercícios em que as crianças se dividiam em grupos e ocupavam, com seu próprio corpo, o espaço que eles imaginariam necessários em um quarto para seis pessoas. Essa é uma noção de arquitetura que parte do próprio corpo como noção de espaço”, contou Marcelo. 

Minitalk Divinal Vidros

Em seguida, Leandro Gonçalves, da Divinal Vidros, falou sobre a tecnologia e as normas técnicas relacionadas ao vidro. Utilizando a linha Habitar para representar os conceitos, ele contou que esses vidros são de controle de proteção solar para o mercado residencial e que reduzem em até 70% o calor no ambiente, proporcionado economia de até 30% no uso de ar-condicionado — uma proposta mais alinhada à proposta sustentável da empresa. 

Greg Bousquet

Na sequência, o fundador do Architects Office, Greg Bousquet, dominou o palco do Apaixonados por Arquitetura. Ele contou sobre a trajetória entre Brasil, Portugal e França e como ela influenciou no processo de aproximação com esse universo da arquitetura, descrevendo, ainda, a diferença entre aprendizado teórico e prático — algo que, segundo ele, não é conquistado em universidades. 

“Nós precisamos entender como transformar dados complexos em uma realidade econômica, para desenvolver um empreendimento. Arquitetura também é isso (…). Eu falo sempre do macroconceito aplicado de forma local, o equilíbrio entre o global e o local, o técnico e o artístico, o orgânico e o mineral, a cidade e a natureza. Donos de empresas de arquitetura, por exemplo, precisam lidar com uma linha criativa — algo que a gente não aprende em faculdade alguma”, explicou Bousquet. “A arquitetura pode sim mudar o mundo em um contexto de mercado, incorporação, poder público”, acrescentou.

Sto Brasil

No último minitalk do dia, a Sto Brasil compartilhou a expertise da marca em sistemas de revestimentos de fachadas com isolamento térmico, contra umidade, longa durabilidade e alta performance com diferentes texturas, cor e design.

Tatiana Fernandes, especificadora técnica da Sto Brasil, foi quem mostrou como é possível unir, em uma especificação de fachada, design, desempenho e sustentabilidade.

Marcelo Barbosa e André Scarpa – Betoneira Podcast

Por fim, encerrando o segundo dia de evento, Marcelo Barbosa e André Scarpa, que comandam o Betoneira Podcast, falaram sobre a iniciativa que aborda uma variedade de pautas acerca de um tema: o conhecimento espacial. Para eles, a proposta é reunir, em um único espaço, ópticas e saberes.

“Falamos sobre conhecimento espacial, e todos têm contribuições para isso. Então nossas conversas sobre esse tema são com arquitetos, mas também com pessoas não diretamente associadas à arquitetura”, explica Scarpa. “O Betoneira oferece conteúdo – e um conteúdo livre! Tentamos transmitir repertórios diferentes, que misturam – assim como uma betoneira, na construção – arquitetura, literatura, cinema, e mais”, finalizou Barbosa.

Confira o segundo dia de Apaixonados!


0 Compartilhamentos
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *